30 de março de 2015

A força do amor

Olá seguidores! Hoje trago um post diferente, mas no fundo igual. Passo a explicar, já tenho o blog à quase 5 anos e comecei-o para mostrar os textos que escrevia e fotografias que ia tirando.
Ajudava-me e ajuda-me sempre muito desabafar através da escrita, mas agora com o tempo fui deixando isso um pouco de lado, deixando um pouco a escrita. Por isso decidi criar esta nova rubrica em que vou pondo alguns excertos de coisas que escrevi ou que vou escrever. Caso queiram ver textos antigos basta ir às etiquetas no final do blog e escolher "2010", "2011" ou mesmo "texto" e "escrita", vai ter muitas publicações, mas as com titulo de "Piece of my heart" era as coisas que escrevia. Deixo-vos então com um dos meus textos que já escrevi à algum tempo e com uma fotografia tirada por mim.


(...)
Já há muito que não escrevo as minhas emoções, já há muito que não grito o que sinto. Sentimos necessidade de falar sem pensar e acabamos por nos arrepender, mas já não há volta a dar e uma simples palavra pode acabar com tudo, se bem que às vezes nem precisamos falar pois cada manifesto de silêncio é pior que qualquer palavra.

As feridas que tens em ti, que tentas curar, colar com supercola na esperança que não se abram, mas não confies nisso pois quando menos esperas elas abrem-se com uma intensidade maior do que quando foram feitas.

Estarão lá sempre, cicatrizes do passado que vão devorando o presente e quem sabe o futuro, tentando reduzir-te cada vez mais.

É nisto que penso e anoto enquanto um comprimido minúsculo me droga os músculos, faz com que as minhas pálpebras que ficam pesadas e pesadas, acabem por fechar, levando-me a um sono pesado de onde acordarei certamente com uma grande dor de cabeça.

Ninguém pode compreender o que sentimos até passarem pelo mesmo.

Acordo de madrugada com uma terrível vontade de beber algo, levanto a cabeça e dirijo o braço diretamente para o copo com água que tinha na mesinha de cabeceira, bebo até ficar satisfeita e ao pousar o copo reparo no meu bloco aberto.

“Que terei escrito? Não me lembro de nada.”- Pensei.

Comecei a ler, suspirei e pensei novamente.

“Como escrevi algo tão triste?”

A nossa consciência pesa tanto que acabamos por nos tornar duas pessoas para nos defendermos, a que sorri e a que chora.

Acumular tudo o que sentimos só nos faz sentir pior.

Não se deixem influenciar pelo passado, irá trazer os fantasmas que não queremos. Seguir em frente e sorrir é o melhor a fazer, e mudarmos o que somos não é fácil, mas terá de ser feito se a felicidade depender disso.

Mas a vontade de vasculhar o passado é maior, não sei bem porquê, talvez por necessidade de encontrar algo obscuro, uma mentira ou até mesmo uma verdade que faça a minha alma descansar, mas isso raramente acontece e mesmo que não encontre nada, só o simples facto de pensar o que vivi, tudo que aconteceu, magoa.

Gostava de deitar fora todas essas emoções, todas essas lágrimas que saíram de mim, percorreram a minha face, mas não consigo, talvez por medo de voltar a passar pelo mesmo, voltar a perder quem amo.

O destino uniu-nos num só mais uma vez, será que significa que mesmo depois de tudo nos completamos? Que o nosso amor é mais forte que qualquer coisa? Não sei, por vezes amar não chega.

Alma insólita, vulgar, solitária, sempre à espera de algo mais.

Acordo com uma luz intensa e direta aos meus olhos meio abertos, meio fechados, olho para o lado e tu não estás. Onde estarás? A luz impede-me de perceber o que está a acontecer e faz com que eu volte a fechar os olhos e que pense novamente.

Será que algum dia irei ultrapassar isto? Não só o medo do passado, mas o que está dentro de mim e me impede de ser totalmente feliz? De ser varoa, de…

Sinto um beijo leve na testa e abro os olhos de novo, a luz desaparecera, e tu lá estavas fixo a olhar para mim, esfrego os olhos, abraço-te, beijo-te e deito-me novamente contigo a meu lado.

Adormeço e sonho com o dia que irei superar tudo, que serei melhor.

Espero que esse dia não demore a chegar, pois não estou triste, nem feliz, estou vazia.

Já amaram alguém incondicionalmente?

Amor absoluto, total, ilimitado, completo, categórico, definitivo, pleno, fiel, fidedigno.

 Amor verdadeiro.

Andreia Dias

Comente com o Facebook:

9 comentários:

  1. lovely photo
    new post : http://melodyjacob1.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Gostei! :)

    beijinhos
    http://simplicity-in-pink.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. A foto é gira! Adoro fotos do pôr do sol, quando o céu está nesses tons de rosa!
    Escreves mesmo muito bem! Não é só a forma de escrever, mas também a forma como levas o leitor a pensar na vida, em tudo. Parabéns! :)

    Beijos,
    elefantemagico.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Bonito texto.

    Isabel Sá
    https://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  5. Que foto linda, tem umas cores belissimas!
    xx
    adonadasushi.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  6. Hello from Spain: great pics. I just discovered your blog and I love the variety of themes. Fashion and beauty are some of my hobbies together with the collection of Barbies. I have a blog dedicated to those dolls that invite you to visit: all4barbie.blogspot.com If you want to keep in touch. I became a follower of your blog. I like your pictures and your style.

    ResponderEliminar
  7. oh, mas que texto lindo e cheio de sentimento! :) adorei mesmo! beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada pelo teu comentário e por visitares o meu blog. Volta sempre!
Assim que conseguir irei retribuir todos :)