9 de julho de 2011

Piece of my heart


Os medicamentos eram como uma droga para ela, entranhados no seu ser, acalmavam o stress, acalmavam os batimentos cardíacos, faziam-na dormir sem sonhar com coisas más, à muito que o seu corpo não descansava em condições, acordava quatro, cinco vezes e deambulava de um canto para o outro, como se fosse sonâmbula, sem suportar o seu próprio peso.
Afogou a cabeça na almofada e pensou: “Porque não posso estar junto a ele embora esteja quase a tocar-lhe?”, talvez houvessem infinitas respostas a essa pergunta, mas para ela não havia nenhuma.
Levantou-se e imediatamente, num singelo momento caiu e ficou pregada ao chão, como se uma força não a deixasse erguer, uma lágrima nasceu, vinda da dor do coração percorreu a sua face lisa e caiu no chão, como se fosse a chave, a força parou e ela voltou a erguer-se meia atarantada.
Perdeu o desejo de amar, pois isso só lhe trazia desgraças.
“Agora sei quem sou e nada voltará a ser igual.”

Comente com o Facebook: